Crise econômica: quais são as prioridades?

A crise econômica que estamos vivendo na pandemia evidenciou que algumas atividades são extremamente importantes na gestão do negócio e não podem ser negligenciadas. Vamos destacar cinco prioridades. A primeira é o cadastro de clientes. A empresa que possui o cadastro de clientes, com histórico de compras, valores e datas, tem um tesouro em mãos, pois é capaz de prospectar novas vendas.

O segundo ponto é a presença digital. Ter uma página em redes sociais não é o bastante. Os empreendedores tiveram de aprender em pouco tempo como tirar fotos, postar, interagir com seguidores e transformar isso em vendas. Empreendedores que tinham cadastro de clientes conseguiram identificar seu público- -alvo, suas similaridades e comportamentos recorrentes, realizar postagens e oferecer produtos/serviços direcionados às necessidades dessas pessoas.

Capital de giro é o terceiro item. É o valor que a empresa tem para arcar com as despesas em determinado período. Com a queda nas vendas, muitos empreendedores se viram sem dinheiro. Daí a necessidade de ter um valor em caixa para “segurança”. Mas é comum ouvir que a maioria opera no limite e mal sobra dinheiro para chamar de lucro, que dirá para capital de giro. Isso é real ou uma questão cultural, já que não temos o hábito de poupar? Avalie em qual posição sua empresa se encontra e tome providências para melhorar.

O ponto seguinte é o relacionamento com bancos e fornecedores. Empreendedores se queixaram das dificuldades em negociar com eles, mas muitos nem conheciam seus gerentes, não pagavam em dia os fornecedores ou não tinham bom contato com eles. Relacionamentos baseados em um histórico de confiança facilitam nesse momento.

Por fim, fazer parte de algo. O isolamento social e a interrupção das atividades deixaram muitos empreendedores perdidos. Mas isso era aliviado quando o empreendedor estava ligado à associação comercial do município, fazia parte do grupo de empresários do bairro ou participava dos grupos de projetos do Sebrae. Vimos então, empresários trocando ideias, estratégias e até clientes por meio de parcerias. É a força da coletividade. Repense seu modelo de negócio, sua atitude e prioridades. A pandemia vai passar, mas esteja atento para que sua empresa passe por ela também.

Fonte: Mariana Gonçalves Ferreira, analista do Sebrae-SP

  •