'Degustação' da Francal marca volta das feiras de negócio

30/08/2021

Um dos setores que mais sofreram os impactos da pandemia em 2020 foi o de feiras de negócios, que deixou de alavancar mais de R$ 900 milhões devido aos cancelamentos ou adiamentos dos eventos presenciais, segundo levantamento da Ubrafe (União Brasileira de Feiras e Eventos de Negócios).

Com o avanço da vacinação, flexibilização maior das medidas restritivas e, principalmente, a proximidade do fim do ano, uma das feiras mais tradicionais do setor calçadista, a Francal, cuja última edição foi em 2019, marca a volta dos eventos presenciais adequada ao momento: em formato showroom, dentro de um hotel. 

Realizado em parceria com a Ablac (Associação Brasileira de Lojistas de Artefatos e Calçados), o 'Showroom de Calçados e Acessórios Francal' acontece nos próximos dias 01 e 02 de setembro, das 9h às 19h.

Menor, com controle de público, seguindo rígidos protocolos sanitários e com estandes compactos (9m²), o evento, sediado no Holiday Inn Parque Anhembi (Zona Norte paulistana), atende a uma demanda do mercado e tem foco em negócios e relacionamento, segundo Abdala Jamil Abdala, presidente da Francal Feiras. 

“Nossa preocupação sempre foi a saúde e, dentro desta premissa, intensificamos o diálogo com o setor na pandemia e decidimos em conjunto adiar a Francal Ablac Show para 2022”, explica. "Mas identificamos o desejo do mercado por um encontro presencial ainda este ano para aquecer as vendas, e decidimos atender”. 

A princípio, mais de 20 marcas de todos os portes aderiram espontaneamente ao formato, desenvolvido com estrutura modular e dimensão padronizada e compacta dos estandes que, segundo os organizadores do evento, darão mais destaque às coleções e deixarão a área de exposição mais segura. 

Reforçando o formato de "Salão do Sapato" para a edição deste ano, Abdala afirma que a ideia é proporcionar uma visitação mais regionalizada, uma espécie de 'esquenta' para o que deve vir a partir de 2022. 

"É um formato pequeno, mas que vai gerar negócios, e que promoverá a volta do relacionamento, fundamental para o setor", destaca, dizendo que a expectativa é receber cerca de 500 visitantes. "É pouco, mas obviamente será um start, para mostrar que o setor está vivo até as feiras voltarem a acontecer em toda sua pujança." 

O Show Room de Calçados e Acessórios Francal é exclusivo para profissionais do setor, mediante comprovação da atividade profissional, e as inscrições podem ser feitas somente on-line, por meio deste link

IMPACTOS E EXPECTATIVAS  

Desde março de 2020, quando foi realizada a Abrin, tradicional evento do setor de brinquedos, último evento realizado de forma presencial antes da pandemia, o setor de feiras de negócios amargou perdas. 

Com o avanço da pandemia, a média de R$ 300 bilhões em negócios gerados anualmente em quase 750 feiras deixou de acontecer, segundo Abdala Jamila Abdala que, além de comandar a Francal, também é presidente do Conselho de Administração da Ubrafe. 

"O comércio e os shoppings fechavam, mas podiam abrir. Mas nós não, ficamos fechados, fechados."

Ao reforçar que as perdas foram 'incalculáveis', ele conta que, pelas características do setor, os eventos on-line geraram pouquíssimos negócios, e serviram só para troca de informações e atualização do mercado. 

"Não foi só perda de negócios, mas de empregos. A estrutura da cidade foi prejudicada, como transporte aéreo, restaurantes e hotéis, cuja ocupação, que chega a 70% nesses períodos, hoje não passa de 10%."

Com o showroom da Francal, e a perspectiva de realização de pelo menos 90 eventos ainda em 2021, Abdala afirma que este será um grande passo do setor para que os negócios voltem a acontecer.  

Em sua avaliação, a vacina trouxe confiança, e todos os expositores e empresários do setor estão preparados para cumprir rigorosamente os protocolos sanitários e atender às mudanças de comportamento. 

"Entendemos que 2022 será um novo cenário, que vai permitir eventos presenciais e principalmente geração de negócios. Isso representa empregos, renda e volta à estabilidade social", acredita. 

FOTO: Divulgação

 

Fonte: Diário do Comércio - Karina Lignelli

  •