Empresários têm menor intenção em investir

01/08/2018

Essa foi a segunda queda mensal consecutiva do indicador. Na comparação com o mesmo mês do ano passado, houve crescimento de 2,6%, entretanto, essa variação vem se reduzindo mensalmente desde fevereiro.

Assim como ocorreu em junho, os dois indicadores que compõem o IEC registraram queda na comparação mensal. As expectativas de novas contratações retraíram 6,1%, passando de 117,5 pontos em junho para 110,4 pontos em julho. A propensão a investir caiu 2,1%, ao passar de 82,2 pontos no mês passado para os atuais 80,5 pontos.

De acordo com a assessoria econômica da FecomercioSP, pela primeira vez em mais de um ano, as perspectivas de novas contratações não estão mais acima do que era verificado em 2017 (112,7 pontos) e apontaram queda de 2%. O nível de investimento teve alta de 9,7% na comparação com 2017.

Ainda de acordo com a entidade, os resultados do mês de julho não dão indícios de retomada no curto prazo. A tendência de elevação das propensões a investir e empregar vinha sendo constante, entretanto, o momento de inversão é evidente.

Mesmo considerando que a paralisação dos caminhoneiros, que gerou um pico de estresse entre consumidores e empresários, tenha sido um fator momentâneo, há ainda o calendário eleitoral que gera incertezas.

Os indicadores do primeiro semestre ficaram abaixo do desejável e esperado, portanto, antes das eleições, o cenário não deve se modificar radicalmente. As mudanças só devem vir, de fato, a partir do próximo ano, acredita a Federação.

METODOLOGIA 

O Índice de Expansão do Comércio (IEC) é apurado mensalmente pela FecomercioSP desde junho de 2011, com dados de cerca de 600 empresários. O indicador vai de zero a 200 pontos, representando, respectivamente, desinteresse e interesse absolutos em expansão de seus negócios.

A análise dos dados identifica a perspectiva dos empresários do comércio em relação a contratações, compra de máquinas ou equipamentos e abertura de novas lojas. A pesquisa é referente ao município de São Paulo, mas sua base amostral reflete o cenário da região metropolitana.

FOTO: Thinkstock

 

Fonte: Diário do Comércio - Redação

  •