O glamour da Paulo VI: avenida se transforma em polo de moda e gastronomia

ACIF em Revista - edição 279 - Março

 

Localizada em uma região nobre de Franca, no Parque dos Lima, a avenida Paulo VI é hoje um dos principais endereços de compras de rua da cidade. Arborizada e arejada, lá estão estabelecimentos de todos os tipos, com destaque para algumas boutiques de renome no segmento de moda e calçados. Para além das compras, a Paulo VI também abriga boas opções gastronômicas. São 25 no total, entre bares, café e restaurantes variados, distribuídos ao longo da via.

Porta de entrada da cidade e via de ligação entre o Centro e a região sul, quem vê a avenida no formato em que está hoje, não imagina que há dez anos o comércio no local era praticamente inexistente. Levantamento do Instituto de Economia da ACIF (IE-ACIF) mostra que 62% das empresas existentes ali, atualmente, nasceram a partir de 2010. Há desde empresas de serviço, comércio e até indústrias que juntas somam 167 negócios, a maioria do setor de serviços (82), com destaque para o segmento da beleza (cabeleireiros e manicures) com dez estabelecimentos. E se considerar os imóveis para locação e as obras em andamento, nas diferentes quadras da avenida, os números irão mudar brevemente com a chegada de novos empreendimentos, entre eles um posto de combustível, uma pizzaria e uma choperia.

Para o economista do IE-ACIF, Adnan Jebailey, 2010 foi um ano de economia predominante, com maior PIB da série histórica, o que fomentou novos empreendedores. “Com a economia em crescimento, muitos empreendedores enxergaram um cenário positivo para investir e a avenida Paulo VI se mostrou promissora”.

Na primeira quadra da via, a partir da avenida Francisco de Paula Quintanilha, há lojas de roupas, calçados, produtos naturais e saudáveis, pet shop, academia, salão de festas, restaurantes, pizzaria e sorveteria, o que facilita o passeio na região considerada um shopping ao ar livre. Vale destacar ainda a presença de uma imobiliária e de um escritório de investimentos.

A vida noturna da avenida inclusive é outro diferencial da Paulo VI. À noite, as lojas fecham e o fluxo migra para outra quadra que vira point de encontro e reúne diferentes estilos de bares e restaurantes. Tem desde lanches tradicionais, pizza, carnes e até culinária japonesa e mexicana.  “A avenida Paulo VI tem dois núcleos distintos. O primeiro reúne a classe média alta, de consumo lateral, que realiza alimentação fora do domicílio. E o segundo núcleo é formado pelo público universitário que também consome fora do domicílio. Além desses dois núcleos, há uma demanda por conta de o poliesportivo ficar próximo da avenida”, diz o economista do IE, sobre a diversidade comercial da avenida.

 

Leia a revista completa: https://bit.ly/3b7p8hj 

Texto: Marco Felippe / Casa da Comunicação Franca

Fotos: Wilker Maia

  •