Quer exportar e não sabe como? Junte-se a um time de experts

13/10/2017

As exportações brasileiras estão em alta. Em setembro, a balança comercial registrou superávit de US$ 5,178 bilhões em setembro. Trata-se do melhor resultado para o mês desde o início da série histórica, em 1989.

De janeiro a setembro, a balança acumula saldo positivo de US$ 53,283 bilhões. O valor também é o maior da história.

Há uma categoria empresarial que possui importante participação no sucesso das exportações. São as empresas comerciais importadoras e exportadoras, que analisam o mercado externo, desenvolvem relações com compradores estrangeiros e mapeiam as melhores oportunidades em diferentes áreas.

Essas empresas ajudam pequenas indústrias a encontrar bons clientes fora do país.

Para fomentar a relação entre pequenas e médias empresas e compradores internacionais, será realizado em São Paulo, a partir da próxima segunda-feira (16/10), o IX Encontro Brasileiro de Empresas Comerciais Importadoras e Exportadoras.

Durante três dias, mais de 200 indústrias brasileiras - que pretendem começar a exportar ou buscam conquistar novos mercados internacionais - terão oportunidade de conhecer empresas comerciais exportadoras e ter contato com compradores estrangeiros.  

O evento é uma realização do Conselho Brasileiro das Empresas Comerciais Importadoras e Exportadoras (CECIEx) e da Apex-Brasil, com apoio da Associação Comercial de São Paulo.

Ricardo Santana (foto), diretor de exportações e promoções da SP Negócios, será um dos participantes do evento.

Ao Diário do Comércio, o executivo falou sobre o panorama das empresas exportadoras em São Paulo e como a SP Negócios tem fomentado as exportações na cidade.

Quais fatores tem fomentado a exportação entre as empresas paulistanas?

SANTANA, DA SP NEGÓCIOS: EMPRESAS DE SÃO PAULO PODEM CRESCER MUITO MAIS NO CENÁRIO INTERNACIONAL

Há diferentes fatores que fazem com que a exportação entre na agenda dos empresários. Entre os principais motivos está a não dependência do mercado doméstico, que retraiu devido à recessão econômica. Buscar compradores fora do país é uma alternativa para a indústria não ficar ociosa.

Quando as empresas exportam, tendem a melhorar a competitividade, pois é necessário que elas aprimorem seus produtos e processos para concorrer com empresas de diferentes lugares do mundo, e que atuam num mesmo mercado.

Eu acredito que exportação não é algo que se decide. Quem não exporta, será pressionado pelas empresas estrangeiras que atuam no Brasil. E exportar é uma forma de ganhar competitividade e melhorar a gestão da empresa.

Quais são as maiores dificuldades que uma pequena ou média têm para exportar?

A SP Negócios atua num processo de catequização, de abrir os olhos do empresário para a importância do mercado internacional.

Uma das dificuldades que eles enfrentam é o de realizar um estudo do mercado que pretendem atuar. Pois, além de identificar o potencial no mercado, é necessário avaliar quais empresas, locais e internacionais, atuam neste mercado. O grau de concorrência pode mudar totalmente a viabilidade de um projeto de exportação.

Outro fator é a necessidade de adequação dos produtos para as normas do país de destino e a necessidade de certificações específicas para iniciar a comercialização.

Como a SP Negócios atua para fomentar as exportações?

Estamos sempre alinhados com outras entidades, como Apex e CECIEx. Nosso suporte se dá em parceria com essas instituições. Há duas frentes de trabalho. A primeira é a capacitação das empresas. Atuamos principalmente em inteligência financeiro e na área comercial.

Ao mesmo tempo, realizamos promoções comerciais, que são eventos que reúnem compradores internacionais e empresários brasileiros, com potencial para fechar negócios. São encontros de relacionamento em que os estrangeiros costumam visitar a empresa e conversar pessoalmente com os empresários.

Quais são os setores de destaque entre as empresas exportadoras da cidade de São Paulo?

Hoje, a cidade de São Paulo possui 1,6 milhão de empresas, mas apenas 3.251 são exportadoras.

Cerca de 90% das empresas industriais exportadoras no município apresentam perfis de iniciantes. Exportam até US$ 1 milhão por ano, em vendas esporádicas. Nas primeiras investidas comerciais no exterior é comum que a empresa busque segmentos de atuação onde é mais competitiva.

Os setores de destaque da indústria são alimentos (que representam 10% do volume exportado), máquinas e equipamentos (10%); autopeças (5%) e têxtil e confecções, metalurgia, arte e química (que somam com 4%).

Entre empresas de serviços, tem destaque os setores de comunicação, logística, transporte, distribuição, produção audiovisual, alimentação e serviços educacionais.

Os principais destinos das exportações são Estados Unidos, Bélgica, Índia, Argélia, Venezuela, Coreia do Sul, Irã, Argentina e África do Sul.

Parte das pequenas e médias empresas tem como característica atuar em nichos e ter maior grau de inovação. Isso é um diferencial competitivo para exportar?

Atuar em nichos e com grau de inovação depende da vocação da empresa. Mas é sim uma forma de agregar valor aos produtos e pode ser uma lacuna bem explorada.

São exemplos de nichos de exportadoras paulistanas os segmentos de moda praia, com marcas que se diferenciam pelo design; de produtos de tratamento capilar, que fornece para salões de beleza; e fabricantes de comidas tipicamente brasileiras, como pães de queijo, tapioca, molhos e especiarias, que encontraram grande potencial no mercado de produtos veganos, naturais e até gourmet.

Serviço 

IX Encontro Brasileiro de Empresas Comerciais Importadoras e Exportadoras
Data: 16 a 18 de outubro de 2017
Local: Hotel Tivoli Mofarrej – Al. Santos, 1437 - Cerqueira César, São Paulo/SP

IMAGEM: Thinkstock

Fonte: Diário do Comércio - REDAÇÃO

  •