Vendas da Black Friday canibalizam faturamento de Natal

29/10/2018

Um pouco mais de um terço (37%) das compras da Black Friday deste ano, a megaliquidação do varejo marcada para a penúltima sexta-feira de novembro, é antecipação de compras de Natal.

No caso de itens de vestuário, essa fatia é bem maior e chega a 53% do faturamento da megapromoção. Já para os eletrônicos, a participação está abaixo da média e corresponde a 32% das vendas.

Os dados fazem parte de uma pesquisa da Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC) em parceria com a Ferraz Pesquisa de Mercado para saber as grandes tendências do evento deste ano.

Nos últimos anos, varejistas e especialistas em mercado de consumo já tinham notado que a Black Friday vinha tomando espaço do faturamento do Natal. No entanto, não havia um dado que mostrasse a ordem de grandeza desse deslocamento de vendas.

"Essa é a grande revelação", afirma o presidente da SBVC, Eduardo Terra.


Apesar da insegurança por parte dos consumidores provocada pelo desemprego em níveis elevados e pelo período pré-eleitoral, a enquete mostra que a totalidade dos entrevistados quer aproveitar a liquidação.

Eles também estão dispostos a gastar um pouco mais nas lojas físicas e no comércio eletrônico. Neste ano, o desembolso médio nesses canais de vendas deve ser de R$ 1.283 por pessoa.

No ano passado, o gasto médio da Black Friday nas lojas físicas e no comércio online tinha sido R$ 1.178, segundo o Ebit, consultoria especializada em informações do canal eletrônico.

De acordo com o Ebit, o comércio eletrônico deve faturar R$ 2,43 bilhões na Black Friday deste ano, alta de 15% na comparação com o ano passado. O número de pedidos pode registrar uma expansão de 6,4%, passando de 3,76 milhões para 4 milhões.

Confiabilidade

Um resultado que chama atenção é que, mesmo mais propenso às compras, desconfiança dos brasileiros nas promoções é elevada Segundo a pesquisa, para 67% dos entrevistados, as promoções ainda não estão num patamar sólido.

No entanto, na opinião de Terra, essa grande desconfiança manifestada pelos entrevistados não é um obstáculo ao aumento na intenção de compras na megapromoção. Isso porque a pesquisa mostra também que 99% pretendem pesquisar preço antes de comprar.

"A Black Friday deste ano será um grande shopping de preço e os varejistas que quiserem enganar o consumidor terão dificuldade", diz.

A pesquisa online consultou 403 consumidores, de todos os estratos sociais, em quatro Estados (Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Rio Grande do Sul) e o Distrito Federal, entre os dias 10 e 21 de setembro.

Fonte: Diário do Comércio - Estadão Conteúdo

  •